sexta-feira, 28 de abril de 2017

Surreal

Novata nisto da alimentação macrobiótica e passado o stress matinal do "Que vou eu comer??" esperei pela minha hora de intervalo para poder sair de casa (baixas médicas são assim fantásticas) e fui de lista em punho às compras.

Precisava de cebolinho para as minhas experiências de sopa de miso e achei a metade do preço por estar a passar a validade. Volta feita, e nem metade do que precisava levo no cesto, vou para para a caixa.
História do costume "tem cartão", "quer saco"... e quando chega o momento de passar o código de barras do cebolinho a colaboradora joga-o na minha frente para o caixote do lixo informando que tinha passado de validade.

Saliento que o produto estava em excelentes condições para consumo e que o mesmo não se poderá dizer da carne que muitas vezes vejo à venda nos frigoríficos deles.

Isto aconteceu num Continente daqui.

Eu não sou cliente habitual desta cadeia de supermercados por várias razões e depois de hoje menos vezes irei lá.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

O que como já se define

A partir do dia de hoje iniciei uma alimentação estritamente macrobiótica, pelo que quem já achava que vegetariana e vegan era coisa de malucos de certeza que o meu grupo de amigos se vai reduzir ainda mais.

O meu problema da anemia atingiu contornos complicados, estando eu já de baixa há 1 semana e sem qualquer plano de resolução por parte da unidade hospitalar onde sou seguida há imenso tempo.
Discutido mais um adiamento de consulta sem consentimento para qualquer outra experiência de tratamento, granjeei mais 3 meses para conseguir arranjar ajuda noutro local.

Todas as opções que me foram sugeridas saíram logradas de algum modo, mantendo-se a de expor o caso ao Instituto Macrobiótico Português junto do famosíssimo Francisco Varatojo, fundador do Instituto.

Assim hoje durante 1h30 tive o prazer de o conhecer pessoalmente, trocar opiniões, rir, dizer umas piadas e sair de lá com um manual a seguir ajustado ao meu problema e o pensamento positivo que estou a trabalhar no caminho certo.



terça-feira, 25 de abril de 2017

Rituais de mumificação - check

Eu sou uma fã incondicional de Tutankamon, o faraó desaparecido e que se veio a tornar num dos mais famosos de todo o Vale dos Reis.
Não podia deixar de passar esta oportunidade de ver as réplicas do mais belo tesouro do Egipto e assim arrastei toda a família a ver a múmia.









domingo, 23 de abril de 2017

I feel music #16




"But I'm a creep, I'm a weirdo.
What the hell am I doing here?
I don't belong here."


Volta e meia acabo por me encontrar a ouvir esta música sem ter completa consciência de que o estou a fazer.
A letra identifica-se tanto comigo que temos uma simbiose tão plena como a água para beber e o ar para respirar.

sábado, 22 de abril de 2017

Saturday night

Coisas que me fazem rir a um sábado à noite, depois de um dia super cansativo em que me levantei às 6h, passei o dia enclausurada e que ao final do dia nem vontade tinha para jantar.
Coisas como eu estar sossegadinha no sofá a beber o meu chá de flores de laranjeira e rever o filme "Sempre que te vejo" (ou eticamente correto "Charlie St. Cloud") heis que uma das minhas gatas decide desatar a vomitar do cimo de um dos meus móveis da sala com aproximadamente 2 metros e tal de altura.



Não contive as gargalhadas perante aquela visão.

Traços de demência começam a transparecer...

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Férias forçadas

Ontem mais uma ida ao hospital e hoje após ida ao centro de saúde resolveram meter-me de baixa por algum tempo (não sei quanto).
Resumindo os valores de ferro nunca estiveram tão baixos nestes últimos tempos, não pressinto qualquer resolução para o problema e todas as alterações alimentares que efectuei surtiram somente em não agravar mais o estado geral.

Posto isto estou em casa, medicada para a ansiedade e por minha auto-iniciativa com "gentle iron 20mg" da Solgar à espera não sei bem de quê...

quinta-feira, 20 de abril de 2017

quarta-feira, 19 de abril de 2017

6/2017



Título: O diário da nossa paixão
Autor: Nicholas Sparks
Pontuação: 4*



"Nicholas Sparks, o jovem autor deste inesperado bestseller, nunca esqueceu o ensinamento que a relação amorosa dos pais da sua mulher, casados há mais de 62 anos, lhe transmitiu - a possibilidade de viver em estado de paixão mesmo depois de vários anos de convívio. Foi por isso que decidiu escrever este comovente romance de amor que acompanha o enamoramento entre um homem e uma mulher, que só no final das suas vidas concretizam uma paixão arrebatadora." retirado de wook.pt


Para mim...

Desafio de Leitura 2017 - "Livro que te foi oferecido no aniversário ou no Natal"

Esta categoria foi das mais fáceis, é das alturas em que sempre recebo livros como prenda.

Este com dedicatória de uma das minhas melhores amigas e que veio ajudar à minha aposta familiar em fazer coleção dos livros todos do Nicholas Sparks.

Dos livros que já li dele (e não é do meu tipo de leitura preferido) não é dos melhores mas tem uma mensagem tão direta sobre o amor que é difícil não ficarmos comovidos.